Para que o consumidor aproveite todas as facilidades dos serviços digitais bancários, é necessário que as empresas adotem uma estratégia de APIs seguras. Primeiramente, vamos entender o que são as fintechs e como elas contribuem para o mercado financeiro.

As fintechs são empresas que oferecem serviços financeiros diferenciados por meio de facilidades tecnológicas. E, em resumo, mudaram a forma como as pessoas administram suas contas bancárias. Afinal, já não é preciso recorrer, pessoalmente, a bancos para transferir dinheiro ou pagar uma conta, por exemplo.

O surgimento das fintechs se deu em resposta à necessidade de uma sociedade cada vez mais conectada. De acordo com a pesquisa Fintech Deep Dive 2018, realizada pela ABFintechs e a PwC, ao todo, 75% das fintechs registraram crescimento em 2017, sendo que, para metade delas, esse crescimento superou 30%. Entre as que tiveram resultados positivos, quase todas esperam continuar crescendo. E, mais de 90% acreditam que essa expansão se dará em ritmo igual ou maior do que nos períodos anteriores.

O cenário disruptivo e inovador das fintechs se dá graças às APIs (Application Programming Interface), que permitem a integração de dados entre os sistemas e as plataformas digitais. 

Com as APIs os serviços são apresentados em interfaces amigáveis ao consumidor e de forma integrada com os dispositivos móveis. Assim, facilitando o acesso e promovendo engajamento, o que a torna base primordial de todos os processos realizados.

Em contrapartida, o sigilo dos dados dos clientes é um compromisso das fintechs, afinal, para uma empresa totalmente digital perder os dados dos consumidores, que ficam 24 horas disponíveis em aplicativos, seria um impacto negativo e imensurável. Além disso, vale ressaltar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), aprovada em 2018, como um dos marcos regulatórios vigentes no mercado. 

Como promover dados expostos e APIs seguras?

As possibilidades e facilidades geradas a partir da quantidade de informações trafegando entre os sistemas é proporcional aos riscos dessa exposição. Assim, o desafio está em criar e manter APIs seguras

De acordo com a mesma pesquisa (Fintech Deep Dive 2018) para 25% das empresas, atender os requisitos do ambiente regulatório é algo desafiador e para 13% delas gerenciar questões de segurança da informação é uma dificuldade.

Podemos dizer que, o processo de segurança começa com os bancos disponibilizando suas APIs para as fintechs e criando um aplicativo com os dados fornecidos. As fintechs, por sua vez, se responsabilizam pela manutenção do aplicativo e as informações contidas ali em segurança.

Sendo assim, para conduzir esse desafio é necessário manter as APIs seguras e é preciso atenção aos modelos de autenticação, a validação por meio de certificados, melhores práticas de desenvolvimento e a adaptação do modelo de governança de API, para focar nos meios de segurança da aplicação. Além disso, o envolvimento de outras equipes de TI, como desenvolvimento e arquitetura é fundamental, ainda mais se a fintech criar suas próprias APIs.

Em resumo, o impulso digital que as APIs Seguras proporcionam a esse e outros segmentos de mercado é enorme e, felizmente, o avanço tecnológico, que promove a segurança das informações, tem caminhado exponencialmente! Com planejamento estratégico e APIs seguras, não haverá limites para o que podemos esperar de novos negócios e engajamento dos consumidores.