Confira, na íntegra, o Meetup Axway: LGPD na era do Open Everything, que abordou temas como o Open Banking, a segurança do Open Everything e o consentimento de dados no mundo de compartilhamentos.

Imagem para representar a gravação do evento LGPD na Era do Open Everything

O Meetup ocorreu no dia 03/06/2021 às 14h e contou com a participação da Cintia Falcão, Sócia na Ramos Falcão Consultoria; André Monteiro, Estrategista de Negócios na SEC4YOU; e Luís Franco, Senior Solutions Architect na Axway.

O que é o Open Everything?

Estamos vivenciando a era do “opens”: Open Banking, Open Finance, Open Source, Open Dating, etc. Ou seja, Open Everything é o conceito de abertura de dados, permitindo que eles sejam reutilizados ou trocados entre diferentes negócios, além de combinados para compor novos serviços ao mercado, melhorando a experiência do cliente. 

Esse conceito permite maior colaboração e criação de novos modelos de negócio. Para isso, as empresas precisam ter acesso aos dados por meio de processos ágeis. Porém, ao compartilhar dados de forma expressiva surge a grande dúvida por parte dos consumidores e empresas: tudo isso é seguro? 

O “pé atrás” com a segurança dos dados é comum, pois a quantidade de informações compartilhadas gera a sensação de falta de controle. Além de ser novidade para a população e negócios, tornando o conceito Open Everything um ponto de atenção, no que diz respeito à segurança.

Sendo assim, é necessário um trabalho de educação da população para melhor entendimento. Assim, as empresas oferecem produtos e serviços ainda mais personalizados e seguros para o cliente final.     

Quais os benefícios do Open Everything?  

Os benefícios do Open Everything são muitos, por isso, os negócios que não estão implementando ou pensando nesse conceito estão perdendo espaço para a concorrência.

Entre os principais benefícios que o Open Everything proporciona aos negócios e clientes, gostaria de destacar alguns: 

  • enriquecimento dos sistemas da empresa, tornando-os mais eficientes e possibilitando a abertura de novos negócios;
  • impacto no preço das ofertas, serviços e produtos, pois com mais possibilidades de personalização e inovação se torna mais proveitoso o consumo no mercado;
  • padronização do compartilhamento de dados. O que torna esse processo mais simples, ou seja, com o Open Everything qualquer negócio pode abrir um leque de possibilidades para os seus clientes;
  • se torna mais fácil a integração entre as empresas, proporcionando ainda mais parcerias de negócios; 
  • melhora a experiência dos clientes, que terão produtos e serviços mais personalizados e o controle total dos seus dados;
  • restringe o uso dos dados, ou seja, o indivíduo passa a ter poder para não consentir o uso dos seus dados a alguma empresa, evitando o uso indevido de informações. 

Vamos pensar nesses benefícios de forma prática? O mundo está vivendo a pandemia de Covid-19. Nesse momento, o compartilhamento de informações entre os setores de pesquisa, ciência e saúde, são cruciais para o entendimento e combate ao vírus. 

O Open Everything é justamente essa abertura de dados! Quando realizada com segurança, proporciona mais efetividade e rapidez às informações cruciais, e então, é possível realizar determinados serviços e ações que ajudam a população de diferentes localidades.  

Como proporcionar segurança na era Open Everything 

A regulamentação do Open Banking e da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem como objetivo principal dizer que os dados pertencem ao indivíduo. Sendo assim, a empresa está no seu papel de ter posse dos dados do cliente apenas para prestar um serviço ou vender um produto, mas o indivíduo é quem decide se ela pode continuar guardando seus dados, compartilhá-los ou usá-los para determinadas situações. 

A LGPD e outras normas, permitem a padronização do compartilhamento entre as empresas. Processo que só é possível graças às APIs (Application Programming Interface), que para o Open Everything precisam ser estruturadas de forma padronizadas e seguir normas e padrões de segurança, para que qualquer negócio possa utilizá-las de forma segura, se o consumidor permitir esse uso.

Evitar o vazamento dos dados só é possível, portanto, com a junção de processos, além de uma infraestrutura segura, profissionais com skill de segurança, tecnologias que permitam o controle efetivo dos processos e que seguem esse padrão de segurança.  

E o consentimento dos dados?

Agora é lei! Segundo a LGPD, toda empresa precisa ter o consentimento do cidadão para usar os dados dele, além de deixar especificado as finalidades do uso e o acesso fácil para o indivíduo revogar o uso dos seus dados, se desejar. 

Do ponto de vista de negócio, esse processo do consentimento precisa estar claro e muito bem estruturado, para que a empresa responda à ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados), se necessário. É importante lembrar que há sérios danos de imagem, financeiros e punições às empresas que não cumprirem com a LGPD. 

A Axway e a SEC4U estão juntas para ampliar o entendimento dos consumidores e empresas dentro do conceito de Open Everything. Por isso, trabalhamos com soluções de segurança para contribuir com essa estratégia e ampliar esse conceito inovador. 

Ficou alguma dúvida? Fale com a gente!