Quando falamos da segurança em plataformas e sistemas de instituições financeiras precisamos falar sobre o Know Your Customer (KYC). Ele auxilia as empresas no processo de onboarding digital, garantindo as identidades dos clientes, através do uso de tecnologias avançadas e evitando fraudes.

O que é KYC?

Know Your Customer (KYC), traduzido do inglês significa “conheça o seu cliente”, é uma estratégia obrigatória por lei para as instituições financeiras evitarem riscos e combaterem atividades ilícitas, como corrupção e lavagem de dinheiro.  

De acordo com essas regras, as instituições precisam conhecer a fundo os seus clientes. Para isso, é preciso governar todos os processos relacionados ao mesmo, desde o cadastro, abertura de conta bancária, até a análise das transações. 

Em resumo, o KYC identifica, por meio de metodologias baseadas em riscos, os clientes de baixo, médio e alto risco. Além da elaboração de políticas de privacidade, é possível garantir que uma pessoa é ela mesma.

Com essa estratégia também é possível monitorar Pessoas Politicamente Expostas (PEPS), que segundo a resolução número 16 no artigo 1 – Parágrafo 1º do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), “consideram-se pessoas politicamente expostas os agentes públicos que desempenham ou tenham desempenhado, nos cinco anos anteriores, no Brasil ou em países, territórios e dependências estrangeiras, cargos, empregos ou funções públicas relevantes, assim como seus representantes, familiares e estreitos colaboradores”.

Tais regras foram estabelecidas pelo Comitê de Supervisão Bancária de Basileia, organização que congrega autoridades de supervisão bancária, visando fortalecer a solidez dos sistemas financeiros. No Brasil o órgão que atua em prol do KYC é a Estratégia Nacional de Combate a Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), que tem como objetivo propagar, gerenciar e elaborar práticas e estratégias para combater lavagem de dinheiro, corrupção, roubo de identidade e outros crimes dentro do cenário financeiro.

Para que serve o KYC?

O KYC é importante para que as empresas reconheçam os clientes, garanta a legitimidade das informações, detectem ações suspeitas ou potencialmente de riscos e interrompam a prática antes que a fraude ocorra. Ou seja, o KYC garante a segurança das empresas e dos consumidores, além de ser possível avaliar riscos de crimes.

Visto isso, sabemos que as fraudes afetam instituições do mundo todo, por esse motivo investir na jornada KYC ajuda a:

  • prevenir riscos;
  • melhorar experiência do cliente;
  • apoiar no cumprimento das leis de compliance;
  • gerir riscos de forma eficaz;
  • diminuir as perdas e otimizar os lucros.

Como seguir as regras do KYC?

Conhecer o risco de cada acesso do consumidor começa no processo de onboarding, ou seja, na identificação e validação de cada pessoa ao acessar uma plataforma digital ou sistema, e se prolonga em cada transação do indivíduo.

Sendo assim, é essencial que todas as áreas da empresa tenham uma estratégia com menos riscos e mais foco na análise do perfil do consumidor. Para atingir esse objetivo veja abaixo alguns pontos que o KYC auxilia.

Consumidores de riscos

Para atender as normas de compliance, as instituições financeiras devem ser capazes de negar contratos a pessoas com alto risco. Para isso, o KYC é uma excelente estratégia! Pois, permite avaliar o perfil do consumidor a partir de vários pontos, o que facilita a realização de contratos mais sólidos e íntegros. 

Origem e volume do patrimônio do consumidor

O KYC realiza uma análise profunda sobre a renda do consumidor, permitindo que as instituições financeiras evitem a validação de contratos mantidos com recursos de origem ilícita.

Classificação de riscos

A classificação de riscos é importante para viabilizar um negócio. Logo, como KYC, a instituição financeira evita problemas e garante um nível baixo de exposição. Além disso, elimina pontos críticos que envolvem novos investimentos. 

Tecnologias para atender o KYC?

Certamente, para a implementação da jornada KYC a instituição deve estar atenta a alguns pontos, sendo eles: 

  • automação de processos: o primeiro passo é a identificação dos clientes. A coleta e análise de dados deve ocorrer de forma automatizada, tornando esse processo mais rápido e menos suscetível a erros humanos;
  • análise de risco: a empresa precisa analisar os riscos ocultos de cada consumidor e assim eliminar operações que possam afetar o negócio; 
  • atualizações: o KYC depende do nível de atualização dos dados, por isso, a instituição precisa manter todos os dados atualizados, para acompanhar a evolução do negócio.

As instituições financeiras buscam tecnologias para melhorar a qualidade das plataformas digitais e a experiência do consumidor. Sendo que, muitas dessas tecnologias estão relacionadas ao compliance, autenticação e autorização do cliente. 

Sendo assim, para garantir que os processos de KYC sejam eficazes e automatizados, é importante ter parceiros tecnológicos que sejam capazes de atender todas as demandas do seu negócio. 

Sec4U e Jumio, proporcionam o atendimento a estratégia KYC

A Sec4U e Jumio trabalham em parceria para entregar ao mercado uma plataforma unificada de ponta a ponta para atender a estratégia KYC. Além de, adaptar-se às necessidades e riscos únicos do negócio e fornecer o conjunto certo de serviços para equilibrar as necessidades de segurança e conveniência.

Essa é uma plataforma de identidade, autenticação e autorização confiável para proporcionar a melhor experiência digital aos clientes e evitar fraudes, sendo possível: 

  • estabelecer confiança desde o início: realize com confiança o onboarding de novos indivíduos remotamente, sabendo quem e onde eles estão;
  • manter a confiança ao longo do caminho: monitore sinais de fraudes relacionados à identidade e proteja contas e relacionamentos existentes;
  • reafirmar confiança quando necessário: acesse os serviços que você precisa para reafirmar a confiança para transações de alto risco.

Ou seja, essa solução é válida! Pois, além de comprovar as informações do indivíduo com fontes independentes e de terceiros (birôs), ela verifica a identidade, fornecendo o mais alto nível de precisão de verificação do setor.

Além de, analisar o indivíduo que está enviando os documentos através de uma prova de vida, também efetua a correspondência facial para garantir a sua identidade. Assim, é possível reduzir, drasticamente, a fraude de novas contas com detecção de anomalias, verificações de lista de bloqueio e uma selfie obrigatória.

Sendo assim, a Sec4U e Jumio trouxeram a segurança que as empresas precisam para realizar o onboarding e autenticação de clientes online, sem causar atrito e atendendo aos requisitos do KYC.